Caminhar em Guimarães: “De Longos ao Bom Jesus”

No próximo dia 19 de novembro, vamos caminhar e conhecer um pouco da freguesia de Longos. Situada na zona noroeste do concelho de Guimarães, predominantemente rural, faz fronteira com o concelho de Braga desde o monte do Sameiro até à capela de Santa Marta do Leão. Vamos percorrer durante 12 km caminhos por onde passam a pé romeiros vindos de vários pontos do nosso concelho, com destino aos Santuários do Sameiro e Bom Jesus, onde iremos realizar um pique-nique a meio da caminhada.

Adira ao evento da caminhada no Facebook e fique a par de todas as informações até à data do evento.

Não é necessária inscrição na caminhada. Basta aparecer! A caminhada é gratuita para os associados da AVE com quotas em dia e terá o custo simbólico de 1 euro para os restantes participantes.

NOTA: esta caminhada não inclui seguro e pode ser alterada por razões externas à organização.

De Longos ao Bom Jesus

O percurso é circular e tem início junto à escola EB1 de Longos. A parte inicial da caminhada tem subidas bastante acentuadas, mas com piso regular, daí não representar dificuldades acrescidas para além do esforço físico. Na descida de regresso, tem algum piso em terra bastante irregular e escorregadio.

A passagem pelo Bom Jesus do Monte e Sameiro marcam o ponto alto da nossa caminhada. Ambos os locais permitem contemplar a natureza e a vasta paisagem que o horizonte nos oferece. Com muita vegetação e onde a natureza se alia à arte para fazer deles locais ímpares de lazer e de fé.

Logística

Pretendemos iniciar a caminhada às 9h15, junto à EB1 de Longos. Para quem preferir partilhar transporte, haverá um ponto de encontro prévio junto à entrada do campus da Universidade do Minho, em Azurém, às 8h40. Recomendamos a partilha de automóvel, para diminuirmos a pegada ecológica desta atividade.

Para alguma eventualidade em que seja necessário contactar a organização, podem ser usadas duas alternativas: info@ave-ecologia.org (e-mail) ou 912 840 699 (telefone).

Ficha técnica

  • Distância: 12 km
  • Dificuldade: média.
  • Duração estimada: 6 horas

Antevisão

 

Anúncios

Ação Ecológica – Transição Sustentável e Regeneração

A AVE participou no passado dia 7 de outubro no encontro “Ação Ecológica – Transição Sustentável e Regeneração”, organizado pelas associações Famalicão em Transição e Campo Aberto e que decorreu na Casa do Território, em Vila Nova de Famalicão. O encontro juntou cerca de 35 associações ligadas à defesa do ambiente.

A AVE foi representada pelo Paulo Casimiro Gomes, que partilha a sua visão sobre o encontro.

«Gostaria de salientar em primeiro lugar o espaço agradável onde fomos acolhidos (Casa do Território), no cimo do parque urbano de Famalicão – Parque da Devesa. Fomos acolhidos numa atmosfera de descontração e já de algum companheirismo que se sentia entre alguns dos participantes. À chegada foi-nos entregue uma pasta em papel com a carta que seria uma base de trabalho para ser assinada por quem o entendesse e que tinha já sido divulgada em comunicações anteriores. A pasta continha também alguma divulgação de iniciativas que iriam acontecer em Famalicão e 2 folhas em branco. Estávamos numa sala onde se encontra uma exposição que irá decorrer até 2 de setembro de 2018 e tem como titulo: “Ave selvagem – uma viagem pela biodiversidade do vale do Ave”.

No encontro propriamente dito, estavam presentes muitas associações, muitas de âmbito mais regional, mas algumas de âmbito nacional. Na mesa estava a Manuela Araújo da Ass. Famalicão em Transição e o José Carlos Marques da campo Aberto (mentor deste encontro).

Na parte da manhã e de uma forma mais extensa o Pedro Teiga falou sobre o seu projeto “Labrio+” e a Joana Silva apresentou o “Projeto Rios”. Depois foi a vez de cada associação presente apresentar os seus projetos ligados a esta temática, embora algumas associações, com o decorrer dos trabalhos, apresentassem os seus projetos de uma forma mais geral.

Em relação ao Pedro Teiga (que eu não conhecia) gostei de ver o seu empenho em relação à temática dos rios e também de perceber que tem sido pedido o seu apoio ao nível mais institucional (câmaras municipais, etc) e inclusivamente por vários grupos e deu até o exemplo de um Mosteiro perto do Azibo onde ele foi chamado a trabalhar na construção de uma área envolvente mais sustentável.

A Joana Silva do Projeto Rios salientou a dificuldade, por parte dos grupos que adotam troços de rios, em manter uma continuidade na monitorização desses troços,  em grande parte por serem grupos na sua grande maioria de escolas, e que estão muito dependentes da boa vontade de um professor específico. Também tem havido uma dificuldade em manter uma comunicação entre os grupos e a ASPEA (por forma a comunicar resultados). Ainda as intenções da Joana em usar as redes sociais para poder chegar a um público mais vasto e jovem. No projeto estão 454 grupos inscritos, nem todos ativos.

Depois, as várias associações inscritas falaram das suas ações, tendo sido chamadas a fazê-lo através de uma chamada, por parte da mesa, por ordem alfabética. Como o número de inscritos era elevado, havia 2-3 minutos para cada apresentação oral das suas ações neste campo. Eu falei sobre a nossa participação no Projeto Rios e na nossa atenção à ribeira de Couros. Outros falaram sobre a limpeza dos rios da sua região, das caminhadas ao longo dos rios, da florestação das zonas ribeirinhas, da educação junto das escolas, da pressão junto das entidades para despoluição das pequenas ribeiras, da divulgação de atentados aos cursos de água, etc. De salientar que algumas associações presentes tinham mesmo nomes ligadas a rios como por exemplo Associação Rio Ovelha ou Associação Neiva e que estavam intimamente ligadas ao rio que lhes dava origem.

Na parte da tarde havia duas mesas em simultâneo. Uma sobre as áreas protegidas e outra, na qual participámos, que se debruçava sobre “Território, coberto vegetal e incêndios sistemáticos; floresta autóctone vs monocultura de madeira; abandono, ruralidade, futuro do interior no futuro do país“. Nesta mesa, mais uma vez foram apresentados os projetos das várias associações presentes, sendo que as que tinham sido apresentadas de manhã, por uma questão de economia de tempo, não se iriam apresentar (foi o que nos aconteceu a nós, embora eu só tivesse falado, na parte da manhã, nos projetos mais ligados à questão água e portanto de uma forma pouco completa em relação ao nosso trabalho). O Manuel Fernandes (sócio da AVE e ex-membro da direção) deu o seu ponto de vista em relação a esta temática, defendendo uma não demonização das espécies ditas invasoras. No final, houve um pequeno debate e por fim a assinatura da “Carta de Famalicão: O espirito e as práticas”, que eu assinei em representação da AVE.

Não ficou agendada nova reunião dentro deste modelo, ficou o desejo de ela ser feita embora organizada por outras associações pois os organizadores não se mostraram disponíveis para o fazer.

NOTA – texto escrito enquanto cozia um panelão de feijão (para ser congelado) com detritos florestais, sobrantes do corte de eucaliptos após incendio, no fogão a lenha, aproveitando o fresco da manhã e poupando assim a queima de combustíveis fosseis. A água não é diretamente do rio, mas se o futuro permitir poderá vir a ser um dia.»

22519685_1590973787629968_3850724101974442896_o

Desafios ambientais em Guimarães

O Jornal Reflexo Digital entrevistou na semana passada a AVE, colocando várias questões para as quais consideramos ser oportuno aqui partilhar integralmente as nossas respostas. Estas posições da AVE são no nosso entender uma referência importante na avaliação do desempenho ambiental do concelho de Guimarães. Desejamos que, daqui a pouco tempo, muito do que abaixo se transcreve já esteja desatualizado, pelas melhores razões.

Reflexo Digital – Quais as prioridades de intervenção ambiental, em Guimarães, que definiriam para os próximos anos? Quais são os principais problemas que apontam atualmente no concelho?

AVE – As duas questões estão interligadas, pelo que as prioridades de intervenção terão de estar em linha com os principais problemas ambientais que se podem apontar no Concelho de Guimarães. Assim, podemos apontar, desde já, três áreas temáticas que nos parecem que vão continuar a ser prioritárias para os próximos anos e que são as da (1) Água, (2) Mobilidade e (3) Ordenamento do Território. De um modo, o mais sumário possível, podemos estabelecer algumas prioridades, a saber:

  • No tema da Água, a prioridade está no facto de que continuamos, infelizmente e depois de décadas a tratar, a investir milhões de euros na despoluição do rio Ave e a criar empresas públicas para o efeito – caso das sucessivas “Águas” do Ave, do Noroeste e agora do Norte -, a ter graves problemas em matéria de despoluição das linhas de água, ribeiros e rios que passam pelo concelho de Guimarães. Convém não esquecer que as empresas públicas têm, ou tiveram, as câmaras municipais, direta ou indiretamente, envolvidas na sua criação e ou actuação. Não é mais suportável que, em pleno séc. XXI, tenhamos, por exemplo, a ribeira de Couros, que atravessa o centro urbano da cidade de Guimarães, poluída, com um cheiro nauseabundo, a dar-nos as “boas-vindas”. E tudo isto numa das principais artérias da cidade – a Alameda Dr. Mariano Felgueiras, defronte do Hospital da Senhora da Oliveira. A população não deve render-se a este tipo de factos como sendo algo de normal ou inevitável. É tempo de estes problemas serem cabalmente resolvidos e pugnar pela vigilância das linhas de água, ribeiras e rios, proporcionando a fruição desses espaços às pessoas.
  • No tema da Mobilidade, a prioridade passa, por exemplo, pela retirada de Guimarães dos últimos lugares nacionais na infra-estrutura ciclável per capita, dando prioridade a percursos de uso quotidiano, e não apenas percursos de lazer. Aumentar substancialmente as condições pedonais e de acesso a espaços verdes fora do centro urbano. Implementar uma real e efectiva abrangência e acessibilidade nos passes de autocarro. Por outro lado, a Câmara Municipal deve dar o exemplo, dando provas de uma melhoria na sua eficiência quanto ao uso de transportes, nomeadamente dos seus trabalhadores e dos resíduos que recolhe.
    O exemplo da recente polémica com a aprovação da construção de mais um parque de estacionamento no centro da cidade de Guimarães (Caldeiroa), é prova da febre que campeia em alguns quadrantes políticos e do poder de lobby de algumas estruturas, nomeadamente dos comerciantes da cidade. Em 2015, salvo erro, a Câmara de Guimarães anunciava um plano de mobilidade urbana sustentável onde se diz, como conclusão, que “projeta-se uma mobilidade urbana sustentável que, mais do que projeto autónomo e independente da cidade, será passo incontornável na construção de um ambiente urbano de excelência para Guimarães”. A AVE revê-se nesta conclusão, pelo que reivindicamos então que se cumpra essa excelência. Mas, por outro lado, temos de perguntar: Onde está o incremento da quota de utilização dos modos suaves? Onde estão os percursos cicláveis interurbanos e de ligação às vilas, e destas às freguesias? Onde está a promoção dos modos suaves através da concretização de ações de sensibilização e de educação da população?
    Na verdade, para nós, enquanto associação, é uma evidência que importa planear bem, mas igualmente importante é a boa execução prática desses planos. Importa a tradução dessas ideias na vida concreta, na vida quotidiana, de todos nós.
  • No tema do Ordenamento do Território, a questão é ainda mais complexa e envolve diversos aspetos e interesses de difícil conciliação. Um dos problemas está bem à vista de todos aqueles que nos visitam e chama-se “Penha”. Não se compreende que, ano após ano, a construção de vivendas e condomínios fechados se vá propagando encosta acima. Quando olhamos atentamente, vemos que o emblemático monte da Penha se transformou numa autêntica parede de betão, com um penacho de floresta no topo. Há necessidade preservar a pouca floresta que temos, e o exemplo da Penha é o mais infeliz, com excepção do trabalho que tem sido feito pela Irmandade da Penha, na sua quota-parte. O poder local tem de apostar seriamente no estudo da floresta do concelho e nos seus problemas. Tem de haver uma séria aposta no trabalho de sensibilização da população para as questões ambientais, e da floresta em particular. Julgamos que as escolas são um factor determinante neste processo, tanto mais que a sua localização e inserção na comunidade e no território, também é uma forma de assegurar uma maior proximidade com as realidades de cada povoado e factor do seu sucesso. Também estamos convencidos que o problema da dispersão urbanística não tem sido abordado pelo poder local como deveria. Basta sair do centro da cidade para compreender do que estamos a falar. Há pouca estrutura no tecido que vai sendo construído, e isso retira coesão ao território, retira-nos força e vitalidade em termos ambientais.

Reflexo Digital – Que avaliação fazem do processo de candidatura a CVE de Guimarães?

AVE – O galardão da CVE é atribuído a cidades europeias pelo reconhecimento do seu percurso no desempenho ambiental com impacte na qualidade de vida dos seus cidadãos. Entendemos que Guimarães ainda tem um longo caminho pela frente para atingir esse patamar de qualidade e excelência, ao ponto de poder “disputar o título” com cidades que levam décadas de avanço, consistente e reiterado. Neste sentido a candidatura a CVE é um mero ponto de partida, mas, sem dúvida, um ponto de partida para um percurso exigente e longo. Apesar de todas as polémicas e dissensos em torno da Capital Verde Europeia, consideramos a candidatura globalmente positiva, até porque possibilitou fazer um balanço ambiental do concelho, e mobilizar a comunidade para as questões ambientais. O ambiente tornou-se um dos focos essenciais da vida no concelho.

Reflexo Digital – Consideram que é possível termos um rio Ave despoluído e o concelho de Guimarães voltar a ter praias fluviais?

AVE – Não é apenas possível, é um dever que assim seja. No entanto, estamos conscientes que, pela sua dimensão e complexidade, a despoluição levará o seu tempo e o seu sucesso estará dependente da persistência dos agentes envolvidos. Mas, ainda assim, como dissemos atrás, depois de tantos anos e milhões investidos na despoluição dos rios do vale do Ave, já era tempo de termos praias fluviais com bandeira azul no concelho. E se as tivermos também não serão necessárias mais piscinas (tanques de cloro) para nos refrescar no Verão. Não teremos de gastar dinheiro na sua construção e manutenção, e a despesa pública e o ambiente agradecem.

Construção do parque de estacionamento adjacente às ruas da Caldeiroa, Liberdade e Camões

A AVE – Associação Vimaranense Para a Ecologia – vem questionar publicamente a construção de um parque de estacionamento no interior do quarteirão adjacente às ruas da Caldeiroa, Liberdade e Camões, recentemente apresentado pela Câmara Municipal de Guimarães, numa sessão de informação pública, considerando que:
  • não se encontra fundamentada a necessidade de aumentar o número de lugares de estacionamento automóvel em Guimarães, dado que não existem, ou não foram ainda tornados públicos, dados concretos sobre a ocupação atual dos parques de estacionamento existentes no centro da cidade e na sua periferia;
  • não se encontram esclarecidos os impactes previsíveis do novo parque de estacionamento, quer durante a fase de construção, quer durante a fase de exploração, nas condições de vida dos residentes e na circulação de veículos e pessoas nas vias adjacentes ao local de implantação;
  • não existe compatibilidade entre a envergadura do projeto e a sua implantação num local cujos acessos de entrada e de saída serão feitos através de vielas ou ruelas, sem dimensionamento adequado para a carga automóvel prevista, a que acrescem os direitos de acesso já existentes;
  • não foram apresentadas alternativas de localização do novo parque de estacionamento, cuja ponderação justifique a localização pretendida;
  • não foram apresentadas soluções de eventual aumento de capacidade dos parques de estacionamento já existentes.

A AVE discorda da pretensão de situar o novo parque no logradouro existente no interior de um quarteirão histórico, constituído por antigos quintais, dado que:

  • o revestimento vegetal do logradouro e o seu solo permeável contribuem para a regulação ambiental da cidade, em termos climáticos e hidrológicos, e de redução do ruído e da poluição atmosférica;
  • o logradouro em causa é também um refúgio para a biodiversidade em meio urbano, podendo vir a ter usos mais adequados e compatíveis com as suas funções ecológicas, como a reativação das hortas e quintais que já aí existiram, e a criação de espaços lúdicos e de espairecimento para todas as idades;
  • a pretensão de localização do novo parque de estacionamento evidencia uma lacuna no atual Plano Diretor Municipal, respeitante à Estrutura Ecológica Urbana, que não integrou os logradouros existentes no interior dos quarteirões, os quais têm vindo a ser “transformados” para outros usos, como sucedeu na Avenida de São Gonçalo, junto à Casa do Proposto (transformação de logradouro verde em parque de estacionamento) e na Rua de Santo António, no edifício do Património Municipal onde se encontra instalada a Associação dos Reformados (destruição de jardim para instalação de empedrado);
  • de acordo com o Decreto Regulamentar n.º 9/2009, de 29 de Maio, e respetiva Declaração de Retificação n.º 53/2009, de 28 de julho, os logradouros, embora não sendo abrangidos pelo conceito de espaços verdes de utilização colectiva, podem integrar a estrutura ecológica em solo urbano, desempenhando funções de proteção e valorização ambiental.
A AVE considera que a apresentação pública deste projeto remete para questões de fundo sobre a mobilidade em Guimarães, cuja abordagem se encontra ainda por fazer, de forma alargada à participação pública, nomeadamente as seguintes:
  • qual o modelo de mobilidade pretendido para a cidade e o concelho, numa perspetiva de longo prazo?
  • qual o efeito que a promoção dos modos de mobilidade suave pode ter na redução do uso do automóvel?
  • de que forma é possível libertar o investimento público atualmente sorvido pelo automóvel individual, canalizando-o para formas de mobilidade socialmente relevantes e mais justas, com destaque para um serviço de transporte público de passageiros com qualidade e dignidade?
A AVE apela à suspensão da adjudicação do projeto do novo parque de estacionamento, até que sejam esclarecidos, de forma pública e cabal, os seus pressupostos e respetivos estudos-base, nomeadamente qual a ocupação atual dos parques de estacionamento existentes, quais os impactos associados ao novo parque de estacionamento e respetiva mitigação, quais as alternativas existentes para a sua localização, e quais as possibilidades de aumento de capacidade dos parques já existentes.
A AVE considera que é necessário e urgente abrir um processo de discussão pública sobre as questões de fundo relativas à mobilidade em Guimarães, numa perspetiva de longo prazo, ponderando os efeitos da opção por modos de mobilidade suaves e a melhoria do serviço de transporte público de passageiros.
Guimarães, 5 de junho de 2017

Caminhar em Guimarães: Por Terras de Souto, Gonça e Gondomar

No próximo dia 4 de junho, em jeito de celebração do Dia Mundial do Ambiente, vamos voltar ao nosso “Caminhar em Guimarães” e partir à descoberta da parte norte do concelho, que se caracteriza, ainda, pela sua ruralidade. Iremos conhecer o território de Souto (Santa Maria), Gonça e Gondomar onde, para além dos atrativos dos cenários rurais, iremos também contactar com realidades menos românticas, como é o caso do já desativado aterro sanitário de Gonça e de algumas pedreiras de Gondomar, famosas pelos danos já causados à qualidade da água do rio Ave. Trata-se de uma boa oportunidade para o caminhante conhecer de perto aquilo que provavelmente só conhece dos jornais. Perto do final da caminhada de 9 km, iremos realizar um agradável piquenique à sombra do arvoredo que ladeia o conjunto de moínhos do Ribeiro, em Souto.

Adira ao evento da caminhada no Facebook e fique a par de todas as informações até à data do evento.

Não é necessária inscrição na caminhada. Basta aparecer! A caminhada é gratuita para os associados da AVE com quotas em dia e terá o custo simbólico de 1 euro para os restantes participantes.

NOTA: esta caminhada não inclui seguro e pode ser adiada ou alterada por razões externas à organização.

Por terras de Souto, Gonça e Gondomar

Partindo do cemitério de Souto Santa Maria, vamos passar junto aos aviários, e daí, subir o monte até ao aterro de Gonça. Na descida, vamos contemplar a paisagem ímpar do vale do Rio Ave e os montes de São Romão (Citânia de Briteiros), Sameiro e Santa Marta. As pedreiras de Gondomar estão à nossa espera, para nos mostrar a desfiguração paisagística e a poluição ambiental, do ar e da água, por elas provocada.

Já quase no final do percurso, surgem os moínhos do Ribeiro, local de rara beleza, onde, à sombra de grandiosos carvalhos e de outras árvores autóctones, vamos comer o almeiro e relaxar com o som da água que corre em sucessivas cascatas formadas pelo desnível dos penedos. Eram cinco os moínhos de cubo que constituíam este “verdadeiro complexo pré-industrial”, dos quais um está restaurado e à espera da nossa visita.

Logística

Pretendemos iniciar a caminhada às 9h30, junto ao cemitério de Souto Santa Maria. Estimando uma viagem com duração de 15 minutos a partir de Guimarães, o ponto de encontro terá lugar junto à entrada do campus da Universidade do Minho, em Azurém, às 9h00. Recomendamos a partilha de automóvel, para diminuirmos a pegada ecológica desta atividade.

Perto do final da caminhada, faremos um pique-nique. Cada participante deverá levar o seu próprio farnel.

Para alguma eventualidade em que seja necessário contactar a organização, podem ser usadas duas alternativas: info@ave-ecologia.org (e-mail) ou 912 840 699 (telefone).

Ficha técnica

  • Distância: 9 km
  • Dificuldade: média, com algum desnível na primeira metade do trajeto.
  • Duração estimada: 4 a 5 horas

Antevisão