Caminhada do Trilho da Poças

Passado o verão e as férias, a AVE vai retomar as caminhadas no dia 2 de outubro de 2022, e dar a conhecer alguns pontos de interesse de natureza paisagística da união de freguesias de Creixomil e Mariz, bem como uma pequena parte da U. Freguesias de Tamel Sta. Leocádia e Vilar do Monte, do concelho de Barcelos.

Roteiro

O percurso é circular, com início e fim junto à Capela Nossa Senhora do Rosário. Tem uma forte componente ambiental e insere-se numa das mais interessantes áreas do concelho a nível de fauna e flora autóctones.

Em ambiente maioritariamente rural, vamos caminhar e admirar a paisagem dos verdes campos, apreciar as diversas poças de rega que ao longo do percurso nos mostram a relação do homem com a natureza na gestão da abundante água que prolifera nestas terras.

Ao longo do percurso vamos ainda contemplar pequenas levadas, ribeiras, pontelhas, moinhos, e ser inebriados pela magia da natureza.

Logística

Saída de Guimarães: 08:45h – Junto à Universidade do Minho em Azurém;

Início da Caminhada: 09:30h – Junto à Capela Nossa Senhora do Rosário, em Creixomil – Barcelos.

Ficha Técnica

Grau de dificuldade: moderado/baixo;

Distância a percorrer: 11Km;

Duração estimada da atividade: 6 horas;

Devem trazer farnel para o almoço, algum reforço e água em quantidade necessária.

Não é necessária inscrição na caminhada. Basta aparecer!

A caminhada é gratuita para todos os participantes!

Nota: esta caminhada não inclui seguro e pode ser alterada por razões externas à organização.

Consulte e divulgue este evento na página da AVE no Facebook

Local de início da caminhada das Poças, em Creixomil-Barcelos.

Faça-se Sócio da AVE!

“Caminhar em Guimarães”- Por Terras de Arosa e Castelões

Após um longo período de confinamento, a Ave vai retomar as suas caminhadas.

No próximo dia 22 de maio de 2022 domingo, voltamos ao “Caminhar em Guimarães” para dar a conhecer um pouco mais as freguesias na parte nordeste do concelho que se encontram situadas entre os concelhos da Póvoa de Lanhoso e Fafe.

Roteiro

Atualmente designadas por União de Freguesias de Arosa/Castelões, banhadas pelos Rios Ave e Torto vão ser o palco principal da nossa caminhada e certamente vão surpreender os caminheiros, com todo o seu encanto e beleza.

O percurso é circular tendo início e fim junto da Escola Básica 2,3 de Taíde em Porto D’Ave.

Logo no início da caminhada passaremos pelo interessante complexo religioso do Santuário da Nossa Senhora de Porto D’ Ave, em direção à praia da Rola onde atravessaremos o rio Ave. 

Já na margem esquerda do rio, onde as freguesias de  Arosa e Castelões se  encontram, caminharemos em direção às ruínas da antiga fábrica têxtil da Abelheira junto ao Ave.

Seguindo por um estradão de montanha que nos conduzirá novamente à margem do Rio Ave, a montante, entraremos num fabuloso cenário natural com passagem na área de lazer das charcas dos 3 moinhos em Castelões. O rio com as suas levadas, e toda a envolvente ficarão na memória de todos.

A partir da nascente das águas sulfurosas, subiremos um pitoresco monte onde os carvalhos e uma antiga eira marcam presença.

A subida da montanha aproxima-se e vai exigir algum esforço físico, esforço este recompensado pela beleza do horizonte que poderemos observar, até começar a descer em direção à Igreja de Castelões.

Na descida para a Igreja de Castelões onde iremos fazer o piquenique, encontraremos nichos de floresta diversificados onde a paisagem construída é mais marcante, embora a ruralidade também se evidencia.

A partir da Igreja  passaremos por um deslumbrante bosque de montanha, descendo por caminhos e ruelas até aos verdes campos. 

Após uma pequena incursão na freguesia de Agrela, do concelho de Fafe, entraremos de novo em Castelões, num ambiente rural mais profundo por entre pequenos montes e campos agrícolas, atravessaremos a ponte romana do Rio Torto, ou Pequeno, afluente do Ave, onde choupais convidam a uma peculiar contemplação da natureza. 

O Rio Torto continuará a marcar presença com as suas levadas e pontizelas, por terras de Arosa. Num ambiente urbano e rural, faremos o resto da caminhada até ao Santuário de Porto D’Ave.

Logística

Saída de Guimarães: 08:45h – Junto à Universidade do Minho em Azurém;

Início da Caminhada: 09:30h –Junto da Escola Básica 2/3 de Taíde, em Porto D’Ave.

Ficha Técnica

Grau de dificuldade: moderado/baixo;

Distância a percorrer: 14Km;

Duração estimada da atividade: 6 horas;

Devem trazer farnel para o almoço, algum reforço e água em quantidade necessária.

Não é necessária inscrição na caminhada. Basta aparecer!

A caminhada é gratuita para todos os participantes!

Nota: esta caminhada não inclui seguro e pode ser alterada por razões externas à organização.

Consulte e divulgue este evento na página da AVE no Facebook

Faça-se Sócio da AVE!

Comunicado Urgente

Abate e “amputações” de árvores cinquentenárias, de grande porte, na cidade de Guimarães – a cidade candidata a Capital Verde

A Associação Vimaranense para a Ecologia expressa aqui o seu veemente protesto pelas acções que estão a ser promovidas pela Câmara Municipal de Guimarães, através da sua empresa municipal “VITRUS, SA”, com participação de outra empresa privada – Madi Matosexploração e comércio de madeiras, LD.ª”

Até ao momento não foram apresentados quaisquer motivos válidos para a ordem de abate ou amputação (pseudo podas) de árvores, saudáveis e cinquentenárias, de grande porte, tais como Choupos e Plátanos.

Estas acções estão a ocorrer um pouco por toda a cidade de Guimarães, nomeadamente dentro do espaço da Escola João de Meira e Rua Almirante Gago Coutinho, na cidade de Guimarães, sem que se percebam os motivos e critérios para tal.

É incompreensível e inaceitável o abate de árvores com aquelas características e nas concretas circunstâncias, face ao conhecimento e elementos que obtivemos no local.

Adiantamos também que uma eventual alegação de que há razões de saúde envolvidas – as ditas “Alergia a Choupos e Plátanos” – são uma absoluta falsidade, conforme sustenta o Parecer da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC), em anexo.

A Direcção da AVE

Parecer da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC)

Algumas imagens do Abate e amputações das árvores cinquentenárias

Para mais informações sobre este e outros assuntos, consulte a página da AVE no Facebook.

Assembleia Geral Extraordinária – Convocatória

Caros/as associados/as,

Em conformidade com as disposições legais aplicáveis e o disposto nos estatutos (art.º 20.º dos Estatutos) convoco todos os associados para se reunirem em Assembleia Geral Extraordinária, que terá lugar na sede do Cineclube de Guimarães, sita no Largo da Misericórdia n.º 19, da cidade de Guimarães, no próximo dia 13 de Novembro de 2021, sábado, às 15h, com a seguinte ordem de trabalhos:

  1. Leitura e votação da ata da anterior Assembleia Geral
  2. Informações e esclarecimentos da Direção
  3. Apresentação, discussão e votação do:
    a. Relatório de Atividades e Contas de 2019
    b. Plano de Atividades e Orçamento para 2020
    c. Relatório de Atividades e Contas de 2020
    d. Plano de Atividades e Orçamento para 2021
  4. Outros assuntos de interesse para a Associação.

De acordo com os estatutos da AVE (Art.º 7.º e Art.º 8.º), só os associados com quotização em dia têm direito a voto. Contudo, atenta a proposta da Direção, dadas as circunstâncias vividas, fruto da situação pandémica, excepcionalmente será suficiente que o associado regularize as quotas relativas ao ano de 2019.

Se na data, local e hora marcadas, após o início da Assembleia Geral não estiver reunido o número legal de associados para efeitos de quórum [metade dos Associados efetivos de pleno direito e honorários, validamente inscritos na Associação], a mesma terá lugar trinta minutos após (15h30), no mesmo local e com a mesma ordem de trabalhos, com os Associados efetivos de pleno direito e honorários presentes, independentemente do seu número (Art.º 20.º dos Estatutos).

Guimarães, Outubro de 2021

O presidente da Mesa da Assembleia Geral

Francisco Oliveira da Silva

Comunicado sobre inclusão da Via do Avepark no PRR

A AVE – Associação Vimaranense para a Ecologia, no seguimento e em coerência com a sua posição acerca da Via do Avepark contestou a inclusão deste investimento no Plano de Recuperação e Resiliência.

Através da sua participação na discussão pública do PRR a AVE vem defender que “não é admissível, nem tão pouco racional, avançar com um investimento que não está devidamente estudado e justificado, sabendo de antemão que terá enormes impactes sociais e ambientais e cujo objetivo pode ser conseguido através de outros projetos que se perspectivam”.

Aos argumentos apresentados em 2015, que incidiam sobre a falta de estudos que justificassem um projeto com tão grande impacte ambiental e de avultado investimento, acresce o contexto atual onde a racionalidade dos investimentos deve levar em conta tanto o seu contributo para ultrapassar as crises provocadas pela pandemia, como o seu contributo para a preservação da natureza.

Entende ainda esta Associação que a Via do Avepark deve ser profundamente repensada, devendo a acessibilidade ao Avepark ser assegurada no âmbito dos projetos de mobilidade intra concelhia e de ligação a Braga.

É esta a posição que a AVE irá defender junto do Governo e da União Europeia.

Aceda AQUI à participação da AVE na discussão pública do PRR.

Guimarães, 3 de Março de 2021

A Direcção da AVE – Associação Vimaranense para a Ecologia