Caminhada: Na Senda do Castelo de Penafiel de Bastuço – Braga

A AVE – Associação Vimaranense para a Ecologia vai promover mais uma caminhada a realizar no dia 24 de março que nos levará ao concelho vizinho de Braga. 

O trilho com o nome “Senda do Castelo de Penafiel de Bastuço” tem início na Freguesia de Passos (São Julião).

O povo antigo de S. Julião de Passos (outrora S.Julião de Palácios) guardou muitas lendas sobre uma fortaleza militar, ao qual apelidavam de Castelo de Mouros. Mais tarde foi anunciado como o local do Castelo da Pena ou atualmente Penafiel de Bastuço procurado desde longa data. 

Este trilho cheio de lendas e histórias que nos acompanham quilómetro a quilómetro leva-nos a conhecer o local de um dos mais de vinte castelos que existiam nos séc. XI a XIV entre Minho e Douro. 

O local deste castelo está envolvido numa das mais bonitas paisagens tipicamente minhotas. Podendo ainda serem observadas várias espécies de macieiras minhotas em fase de plantação.

O trilho é feito sobretudo em caminhos agrícolas e florestais que atravessam o vale do rio Labriosque e percorrem a vertente Este do monte Eiro, contactando com infindáveis tons verdes que por certo nos levarão o nosso imaginário para além de um simples passeio…

Adira ao evento da caminhada no Facebookhttps://www.facebook.com/events/2250293548392461/ e fique a par de todas as informações até à data do evento.

Não é necessária inscrição na caminhada. Basta aparecer!

A caminhada é gratuita para os associados da AVE com quotas em dia e terá o custo simbólico de 1 euro para os restantes participantes.

NOTA: esta caminhada não inclui seguro e pode ser alterada por razões externas à organização.

Roteiro

Este percurso é circular, tem início e fim junto a Igreja Paroquial de São Julião de Passos.

A dificuldade deste percurso é média (grau 3 numa escala 0 a 5), com 10,2 km, duas subidas com um desnível positivo de 480m, o trajeto é feito boa parte em caminhos rurais e florestais com alguma lama.

Pontos de interesse: Junta de Freguesia de Passos (São Julião), Zona florestal da Redonda, Casarão do lugar da Senra, Carvalhais, Vale do Labriosque, Penedo do Castelo de Bastuço, Conjunto rural da Torre, Igreja Paroquial de São Julião de Passos.

O percurso tem algum piso escorregadio e com pedras soltas. Poderá também haver alguns charcos, pelo que se recomenda o uso de roupa e calçado apropriado.

Logística

Pretendemos iniciar a caminhada às 09:30h, junto à Igreja Paroquial de São Julião de Passos, coordenadas:(41.527938,-8.498866) . Para quem preferir partilhar transporte, haverá um ponto de encontro prévio junto à entrada do Campus da Universidade do Minho, em Azurém, às 08:30h. Recomendamos a partilha de automóvel, para diminuirmos a pegada ecológica desta atividade.

Para alguma eventualidade em que seja necessário contactar a organização, podem ser usadas duas alternativas: info@ave-ecologia.org (e-mail) ou 912 840 699 (telefone).

Ficha técnica

  • Distância: 10,2 kms
  • Dificuldade: média com algumas subidas algo exigentes
  • Duração estimada: 7 horas incluindo pausa para pique nique 
  • Âmbito: Histórico-cultural, ambiental e paisagístico.
Anúncios

Caminhar em Guimarães: “Rota da Citânia de Briteiros”

Depois da excelente visita aos baldios de Alvadia, realizada o mês passado, a AVE, Associação Vimaranense para a Ecologia, regressa ao “Caminhar em Guimarães” para no próximo dia 24 de fevereiro, de 2019, percorrer um dos três trilhos homologados no concelho de Guimarães.

Adira ao evento da caminhada no Facebook e fique a par de todas as informações até à data do evento.

Não é necessária inscrição na caminhada. Basta aparecer!

A caminhada é gratuita para os associados da AVE com quotas em dia e terá o custo simbólico de 1 euro para os restantes participantes.

NOTA: esta caminhada não inclui seguro e pode ser alterada por razões externas à organização.

Roteiro

Este percurso é circular, tem início e fim junto ao Museu da Cultura Castreja, em Briteiros São Salvador.

O percurso entre o museu e a igreja é feito por estrada, entrando junto a esta, por um estradão em terra, que nos leva até ao moinho de cubo, no rio Torto, já na freguesia de Donim.

A subida do monte São Romão, mais conhecido por monte da Citânia, é a parte do percurso que exige mais esforço físico, mas com uma vista soberba sobre o vale do Ave. No cimo, após cruzar a estrada, começa a descida para os moinhos de Portuguediz, na freguesia de Sobreposta, já no concelho de Braga, onde iremos fazer o habitual piquenique, na eira comunitária.

O regresso será pelas margens do rio Febras, onde as suas cascatas quebram o silêncio, com uma melodia ímpar, passando num conjunto de moinhos em ruínas, com uma envolvente natural, que, faz do local, talvez o sítio mais belo de todo o percurso.

O percurso tem algum piso escorregadio e com pedras soltas. Poderá também haver alguns charcos, pelo que se recomenda o uso de calçado apropriado.

Logística

Pretendemos iniciar a caminhada às 9h20, junto ao museu da cultura Castreja de Briteiros São Salvador. Para quem preferir partilhar transporte, haverá um ponto de encontro prévio junto à entrada do campus da Universidade do Minho, em Azurém, às 8:45h. Recomendamos a partilha de automóvel, para diminuirmos a pegada ecológica desta atividade.

Para alguma eventualidade em que seja necessário contactar a organização, podem ser usadas duas alternativas: info@ave-ecologia.org (e-mail) ou 912 840 699 (telefone).

Ficha técnica

  • Distância: 11 km
  • Dificuldade: Fácil/média.
  • Duração estimada: 6 horas
  • Âmbito: Histórico-cultural, ambiental e paisagístico.

Visita aos Baldios de Alvadia

A AVE convida os seus associados e amigos a realizar uma visita, no próximo dia 13 de janeiro (domingo), aos Baldios da Freguesia de Alvadia, no concelho de Ribeira de Pena, território integrado no sítio da Rede Natura Alvão/Marão. A direção dos Baldios de Alvadia foi uma das entidades contempladas com os Prémios do Instituto de Conservação da Natureza (ICNF) 2017, devido ao esforço desenvolvido na promoção da biodiversidade. O projeto propõe um tipo de gestão que concilie a conservação dos valores naturais com os interesses económicos das populações residentes.

A visita será orientada por Sérgio Bruno Ribeiro, da Biomater – Ambiente, Sustentabilidade e Conservação da Natureza. De modo a garantir as melhores condições para um usufruto pleno da atividade, a participação (gratuita) é limitada a 30 pessoas. Se houver mais inscritos do que vagas, será dada prioridade aos associados da AVE. A inscrição é obrigatória. Inscreva-se aqui: https://goo.gl/forms/Ci1qfAEdbkYBGecr1.

Adira ao evento da visita no Facebook e fique a par de todas as informações até à data do evento.

NOTA: esta atividade não inclui seguro e pode ser alterada por razões externas à organização.

Atividade realizada no âmbito do projeto “Conservação de 2 Habitats Emblemáticos no Sítio Rede Natura do Alvão/Marão”, que tem como parceiros a Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega; a Biomater – Ambiente, Sustentabilidade e Conservação da Natureza; e os Baldios da Freguesia de Alvadia, contando com financiamento do Fundo Ambiental.

Detalhes

A visita aos Baldios da Freguesia de Alvadia será uma boa oportunidade para conhecer este local, o seu rico património natural, as suas paisagens, os costumes das gentes que aí habitam (cuja atividade assenta quase exclusivamente na agropastorícia extensiva) e os projetos que mais recentemente têm vindo a ser desenvolvidos em prol de uma gestão integrada do território.

A visita consistirá numa caminhada, ao longo da qual se farão pequenos pontos de paragem que serão aproveitados para observar algum elemento natural/paisagístico/etnográfico mais relevante. Iremos aproveitar um momento de lazer para, num ambiente relaxado, trocar conhecimentos e dar a conhecer este local nas suas diferentes perspetivas.

Entre alguns elementos de interesse, destacam-se as Fisgas do rio Poio, os lameiros e o seu peculiar sistema de irrigação, os urzais de montanha, a prática da roça de mato para a cama do gado, os grandes rebanhos que pastam livremente na serra, bem como muitas espécies animais e vegetais raras, ameaçadas e de distribuição restrita em Portugal.

O projeto que atualmente está a ser implementado nos Baldios da Freguesia de Alvadia centra-se na conservação de dois habitats prioritários – os carvalhais e as charnecas húmidas -, implementando soluções que vão simultaneamente ao encontro dos interesses de conservação da natureza e do modo de vida das populações que habitam neste local.

Logística

Pretendemos iniciar a atividade às 9h00, em frente do Café Santa Cruz, ao lado da Junta de Freguesia de Alvadia (41°27’16.7″N 7°46’32.7″W). Para quem preferir partilhar transporte, haverá um ponto de encontro prévio junto à entrada do campus da Universidade do Minho, em Azurém, às 7h45. Recomendamos a partilha de automóvel, para diminuirmos a pegada ecológica desta atividade.

Traga roupa e calçado adequados à atividade. Se tiver, traga binóculos ou máquina fotográfica, vai valer à pena!

Dependendo das condições meteorológicas previstas e da vontade dos participantes, tanto poderemos realizar piquenique ou almoçar no restaurante O Recanto do Lavrador, na Portela de Santa Eulália (41°30’07.7″N 7°47’42.2″W). Mais próximo da data, anunciaremos mais detalhes através do evento Facebook e por e-mail.

Para alguma eventualidade em que seja necessário contactar a organização, podem ser usadas duas alternativas: info@ave-ecologia.org (e-mail) ou 912 840 699 (telefone).

Ficha técnica

  • Distância: 10 km
  • Dificuldade: média.
  • Duração estimada: 5 horas

 

Caminhar em Guimarães: São Lourenço de Sande – Santa Marta das Cortiças

No próximo dia 18 de novembro (domingo), vamos voltar ao “Caminhar em Guimarães” e encerrar o ciclo de caminhadas deste ano. Já estamos a meio do outono, época ideal para esta caminhada, a qual nos irá permitir conhecer um pouco mais desta zona noroeste do concelho de Guimarães, assim como visitar locais de interesse, na fronteira com o concelho bracarense, como Santa Marta das Cortiças, Santa Marta do Leão e a Igreja de Santa Maria Madalena (Falperra).

Adira ao evento da caminhada no Facebook e fique a par de todas as informações até à data do evento.

Não é necessária inscrição na caminhada. Basta aparecer! A caminhada é gratuita para os associados da AVE com quotas em dia e terá o custo simbólico de 1 euro para os restantes participantes.

NOTA: esta caminhada não inclui seguro e pode ser alterada por razões externas à organização.

Roteiro

O percurso é circular e tem início e fim junto à Igreja de São Lourenço de Sande. Para além desta, passa pelas freguesias de Balazar e Longos, do concelho de Guimarães e Esporões e Nogueira, do concelho de Braga.

A parte inicial e final da caminhada será feita em caminhos alcatroados e em paralelo, os quais nos permitirão caminhar por entre campos num extenso vale predominantemente rural e vivenciar o outono em todo o seu esplendor de luz e cor.

A subida e a descida são um pouco acentuadas, com algum piso escorregadio e pedras soltas, mas com uma paisagem magnífica.

O Monte da Falperra tem no seu ponto mais alto a capela da Santa Marta das Cortiças, local de fé, de lazer e miradouro. Aqui, vamos realizar o piquenique da caminhada.

 

Logística

Pretendemos iniciar a caminhada às 9h30, junto à Igreja Paroquial de São Lourenço de Sande (41°30’22.31″N 8°21’38.06″W). Para quem preferir partilhar transporte, haverá um ponto de encontro prévio junto à entrada do campus da Universidade do Minho, em Azurém, às 9h00. Recomendamos a partilha de automóvel, para diminuirmos a pegada ecológica desta atividade.

Para alguma eventualidade em que seja necessário contactar a organização, podem ser usadas duas alternativas: info@ave-ecologia.org (e-mail) ou 912 840 699 (telefone).

Ficha técnica

  • Distância: 12 km
  • Dificuldade: média.
  • Duração estimada: 6 horas
  • Percurso: KML

altimetria-santamarta

 

Regadas e Vale do Bugio

No próximo dia 23 de setembro, celebraremos a entrada no outono com um regresso a Fafe, para explorarmos o vale do rio Bugio, em Regadas. Será também um regresso a este interessante curso de água, que já visitámos em 2016 num troço mais a jusante. Teremos oportunidade de conhecer as paisagens rurais que marginam o serpentear do Bugio, cuja presença será uma constante em boa parte da caminhada.

IMG_20180714_080409 (1280x960)

Adira ao evento da caminhada no Facebook e fique a par de todas as informações até à data do evento.

Não é necessária inscrição na caminhada. Basta aparecer! A caminhada é gratuita para os associados da AVE com quotas em dia e terá o custo simbólico de 1 euro para os restantes participantes.

NOTA: esta caminhada não inclui seguro e pode ser alterada por razões externas à organização.

Roteiro

A partir do centro de Regadas, no Largo do Coreto, subiremos ao longo do vale do Bugio, por entre campos e bosques, em caminhos quase labirínticos – dizemos “quase”, porque todos os caminhos têm saída! Na primeira metade do percurso, não teremos ainda contacto com o rio, mas poderemos apreciar a diversidade paisagística bem típica do Minho interior, consequência da abundância de água, do vigor da natureza e da ação humana. Deixaremos a freguesia de Regadas e entraremos nos territórios vizinhos de Ardegão e Seidões. Na extremidade nordeste do percurso, já no enclave da freguesia de São Gens, atravessaremos pela primeira vez o Bugio e iremos continuar a caminhada agora mais próximos das margens.

 

Chegados ao lugar do Pontido, voltaremos para a margem esquerda, para subir a Talhos. Dali entraremos numa zona de vegetação mais densa e chegaremos ao local onde se irá realizar o piquenique – a Ilha dos Amores, uma zona de lazer na margem do Bugio, com muita sombra, mesas, bancos e vários passadiços que farão as delícias de todos.

 

Após o almoço, continuaremos a descida pelo vale, com mais uma travessia junto à histórica Fábrica do Bugio, uma das primeiras indústrias têxteis do concelho de Fafe, cuja barragem é hoje uma presença anacrónica e um obstáculo ao livre fluir das águas do rio que lhe deu o nome. A parte final do percurso será muito semelhante aos primeiros quilómetros, com um misto de belas veredas pelos campos e refrescantes caminhos florestais.

Logística

Pretendemos iniciar a caminhada às 10h00, no Largo do Coreto (41°23’45.6″N 8°09’04.4″W), em Regadas, Fafe. Para quem preferir partilhar transporte, haverá um ponto de encontro prévio junto à entrada do campus da Universidade do Minho, em Azurém, às 9h15. Recomendamos a partilha de automóvel, para diminuirmos a pegada ecológica desta atividade.

Cada participante deverá levar comida e bebida para pique-nique durante a caminhada, a realizar a meio do percurso. Devem levar roupa e calçado adequado ao terreno acidentado/húmido e às condições climatéricas.

Para alguma eventualidade em que seja necessário contactar a organização, podem ser usadas duas alternativas: info@ave-ecologia.org (e-mail) ou 912 840 699 (telefone).

Ficha técnica

  • Distância: 12 km
  • Dificuldade: fácil
  • Duração estimada: 6 horas
  • Percurso: formato KML

altimetria

Perfil altimétrico