Mobilidade Ciclável – PDM Guimarães vs PDM Braga

A AVE tem vindo desde 2010, e de forma consistente, a alertar os responsáveis políticos de Guimarães para a necessidade de implantar ações que promovam a Mobilidade Ciclável no concelho, tendo até apresentado uma Proposta de um Plano de Mobilidade Ciclável para Guimarães.

PDM Guimarães

Aquando da discussão pública do novo PDM de Guimarães, A AVE submeteu essa Proposta de Plano como sugestão, tendo recebido a seguinte resposta a esse propósito.

ponderação pdm1

Assim, o regulamento proposto para o PDM de Guimarães ignorou a mobilidade ciclável. No entanto, existe na Planta da Rede Viária traçados de ciclovias previstas, mas cuja rede não tem qualquer coerência do ponto de vista da mobilidade, denotando apenas a preocupação em ligar espaços verdes/lazer.

PDM Braga

O Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) reconhece como boa prática a inclusão de redes estruturantes cicláveis e pedonais nos PDM, indicando Braga (pág.26) como um exemplo dessa boa prática.

PDM Braga 1Os estacionamentos para bicicletas terão localizações asseguradas em algumas operações urbanísticas.

PDM Braga 2

Existe uma rede que abrange toda a cidade, ligando centros geradores de mobilidade.

Carta Rede Ciclável

CONCLUSÃO

Pesquisei algumas palavras nas propostas de regulamento dos PDMs, eis os resultados:

Bicicleta: Gmr 0 – Braga 5  –  Ciclável: Gmr 0 – Braga 15  –  Cicláveis: Gmr 1 – Braga 9

O que em Guimarães não se enquadra no âmbito do PDM, é reconhecido pelo IMT como uma boa prática noutros municípios.

Pode-se ler no Ciclando – Promoção da Bicicleta e Outros Modos Suaves (documento de referência sobre o tema), no capítulo sobre a sensibilização dos decisores políticos:

Ciclando

É tempo de deixar os velhos preconceitos e paradigmas para trás, e abraçar o futuro.

José Cunha

Anúncios

Polidesportivo do Parque de Lazer das Taipas

O projeto da Requalificação do Polidesportivo do Parque de Lazer das Taipas tem sido alvo de muita desinformação, pelo que decidi esclarecer os poucos vimaranenses que irão ler estas linhas, na esperança (ingénua?) de ser imitado por algum jornalista.

Com base num comunicado da Taipas Turitermas, a imprensa de Guimarães, ao estilo do jornalismo copy-paste cada vez mais praticado, não verificou a notícia e limitou-se a transcrever a desinformação, fazendo dela uma verdade irrefutável aos olhos dos vimaranenses. Como pode uma notícia não corresponder à verdade se foi publicada com o mesmo conteúdo em todos os órgãos de comunicação? Em Guimarães é fácil. Basta emitir um comunicado de imprensa.

O Povo de Guimarães escreve no artigo online Governo reconhece interesse público nas intervenções para o Parque de Lazer das Taipas, e na publicação impressa tem uma chamada de capa que diz “Projeto de requalificação do Parque de Lazer aprovado pelo Governo”.

O artigo online da Guimarães Digital alinha na desinformação com o titulo Governo aprovou projeto da Cooperativa Taipas Turitermas.

A Guimarães TV, com muitas fotos à mistura, intitula a noticia TAIPAS | Governo reconhece interesse público na requalificação do Parque de Lazer.

O Reflexo Digital também reflete a desinformação e escreve online Parque de Lazer das Taipas – Governo reconhece interesse público nas intervenções propostas pela Taipas Termal.

A DESINFORMAÇÃO – Comunicado da Taipas Turitermas

Este comunicado não visou prestar informação, mas sim fazer auto promoção.

Projeto para a requalificação do Parque de Lazer da Vila das Taipas publicado em Diário da República com relevante interessante público para a freguesia de Caldelas e concelho de Guimarães.”

Não foi publicado nenhum projeto em Diário da República, mas sim um despacho do Secretário de Estado do Ambiente e do Ordenamento de Território a reconhecer o “relevante interesse público” de um projeto sito em Caldelas, Guimarães.

Continuar a ler