Trilho das Fontes

A AVE já conta com quase 17 anos de atividade e, só uma vez, durante este tempo, realizámos uma caminhada totalmente dedicada ao concelho que é nosso vizinho a norte! Foi no outono de 2014, em Tibães. No ano passado, em novembro, fizemos uma pequena incursão pelo território bracarense, no âmbito do Caminhar em Guimarães: De Longos ao Bom Jesus. Agora vamos com tudo a Braga! E nada melhor para um regresso do que o Trilho das Fontes, uma rota em que se conjugam elementos paisagísticos, históricos e ambientais. Este percurso não sinalizado faz parte da Rede de Percursos Pedestres de Braga, uma iniciativa exemplar promovida pelo município bracarense.

O Trilho das Fontes, apesar de se desenrolar às portas da cidade de Braga, surpreende pela ruralidade e pelo contacto com vários elementos históricos com particular relevo ambiental. O destaque vai todo para o Complexo Hidrológico e Monumental das Sete Fontes, sistema de abastecimento de água a Braga que poderá ter tido origem na época romana e que ainda hoje conduz água aos chafarizes e fontes da cidade. Ao longo do trilho, iremos ter também oportunidade de visitar o Convento de Montariol, observar a ruralidade do vale de Adaúfe e ainda percorrer um segmento da Geira – Via Romana XVIII – além de várias capelas e fontanários.

Adira ao evento da caminhada no Facebook e fique a par de todas as informações até à data do evento.

Não é necessária inscrição na caminhada. Basta aparecer! A caminhada é gratuita para os associados da AVE com quotas em dia e terá o custo simbólico de 1 euro para os restantes participantes.

NOTA: esta caminhada não inclui seguro e pode ser alterada por razões externas à organização.

Trilho das Fontes

O percurso é circular e tem início precisamente no Complexo das Sete Fontes. Este monumento nacional recentemente valorizado pelo município, para além da importância histórica e ecológica que tem para a cidade de Braga, prima também pelos belos elementos estéticos decorrentes das intervenções realizadas durante o séc. XVIII, a mando do arcebispo D. José de Bragança.

Iremos depois acompanhar o declive e as canalizações em pedra, passando por várias mães-de-água, até à urbanização do Areal. Daqui subiremos ao alto onde se situa o Convento de Montariol. Se nos for dada oportunidade, poderemos visitar os espaços verdes do Convento. De regresso ao trilho, caminharemos cuidadosamente ao longo dos limites das pedreiras de Montariol, até atingirmos o bosque sobranceiro à capela de São Romão. Entraremos então no pitoresco vale do Outeiro, por onde atravessaremos vários campos até ao Parque de Merendas de Adaúfe, onde faremos uma pausa para piquenique.

A segunda parte do percurso não perde de todo o interesse, e levar-nos-á à Igreja de Adaúfe e à sua bela envolvente. Este era um ponto de passagem da antiga Via XVIII do itinerário do imperador romano Antonino, que ligava Bracara Augusta a Asturica Augusta (Astorga). Iremos ter oportunidade de seguir parte do percurso desta estrada com quase 2.000 anos, também conhecida por Geira ou Via Nova. Calcorreando as lajes da Calçada do Monte, subiremos até quase ao topo do Monte Pedroso, de onde jorram as nascentes de água que alimentam as Sete Fontes. Ali, perto da floresta onde pontuam alguns sobreirais, passaremos pela Capela das Sete Fontes, provavelmente sucessora de algum templo romano situado na via antonina, e desceremos pelo monte de regresso ao ponto de partida.

IMG_20180225_082022 (1280x960)

 

Logística

Pretendemos iniciar a caminhada às 10h00, nas imediações do Braga Retail Center (41°33’55.7″N 8°24’21.0″W). Para quem preferir partilhar transporte, haverá um ponto de encontro prévio junto à entrada do campus da Universidade do Minho, em Azurém, às 9h00. Recomendamos a partilha de automóvel, para diminuirmos a pegada ecológica desta atividade.

Para alguma eventualidade em que seja necessário contactar a organização, podem ser usadas duas alternativas: info@ave-ecologia.org (e-mail) ou 912 840 699 (telefone).

Ficha técnica

altimetria-trilho-fontes

Perfil altimétrico

 

Anúncios

Trilhos de Sistelo

Com o verão a dar os últimos suspiros, as temperaturas estão mais amenas e convidativas para boas caminhadas! Como tem sido habitual nos últimos anos, a AVE reserva o último fim de semana de setembro para o regresso aos percursos pedestres. Convidamo-vos portanto a celebrar o início do outono, com a caminhada “Trilhos de Sistelo”, no concelho de Arcos de Valdevez, no próximo dia 24 de setembro! Ao longo de aproximadamente 14 km, iremos sentir os contrastes entre a frescura das margens do rio Vez e as brandas e campos em socalcos de cotas mais elevadas da freguesia de Sistelo, nas faldas da Serra do Soajo.

IMPORTANTE: Devido à grande pegada ecológica que uma deslocação numerosa de automóveis iria provocar e, também, às sérias restrições ao estacionamento na exígua aldeia de Sistelo, a viagem irá realizar-se de autocarro alugado pela AVE. Pelas razões acima descritas, pelo facto de trilharmos paisagens protegidas e pelas características do percurso, esta atividade está dimensionada para a lotação do autocarro. A deslocação em viatura própria, para além dos custos ambientais e dos constrangimentos que poderá provocar aos habitantes de Sistelo, irá causar dificuldades à organização, pelo que desaconselhamos de todo esta opção.

Inscrição

Face ao exposto acima, a atividade terá um valor de inscrição que permitirá à AVE suportar o custo do aluguer do autocarro:

  • Sócios da AVE: 8€
  • Não-sócios: 10€
  • Crianças até 12 anos: 5€

Para participar na atividade, deverá inscrever-se aqui e aguardar que a direção da AVE valide a sua inscrição. Será dada prioridade aos sócios da AVE que se inscrevam até ao dia 15 de setembro. Se, até essa data, as inscrições de sócios da AVE não lotarem o autocarro, as vagas remanescentes serão atribuídas a todos os restantes inscritos, por ordem de inscrição. A data-limite para as inscrições é o dia 20 de setembro (quarta-feira).

Inscreva-se aqui.

Após a inscrição ter sido validada, o/a participante irá receber instruções para o pagamento da mesma e assim assegurar o seu lugar no evento.

Entretanto, adira ao evento da caminhada no Facebook e fique a par de todas as informações até à data do evento.

Os trilhos de Sistelo

O percurso “Trilhos de Sistelo” é baseado num itinerário parcialmente sinalizado, cuja rota pode ser consultada aqui. A caminhada terá início na aldeia de Sistelo e seguiremos, durante os primeiros quilómetros, o trajeto da Ecovia do Vez. Os participantes poderão apreciar as agradáveis margens do rio Vez, pontuadas frequentemente por ruínas de moínhos e singulares passadiços em madeira que conferem ao cenário uma beleza especial. Deve-se salientar que o rio Vez está integrado na lista de Sítios de Importância Comunitária da Rede Natura 2000 (Rede Ecológica da União Europeia). Estas áreas são classificadas como protegidas, pela importância e raridade da sua fauna e flora.

Aproximadamente ao km 6, deixaremos a Ecovia e faremos uma paragem numa antiga casa de guarda florestal, onde poderemos realizar o pique-nique com alguma sombra. Após esta pausa, o cenário da caminhada irá alterar-se profundamente, pois iremos subir a uma antiga branda agora parcialmente abandonada, perto da aldeia de Tabarca. O tipo de terreno e a vegetação serão o que tipicamente se encontra em cotas mais altas da Serra do Soajo, embora ainda estejamos a menos de 400m de altitude. Pelo caminho, poderemos observar os peculiares cortelhos e outras construções que caracterizam a ancestral ocupação humana deste território.

Depois de visitamos a branda de Tabarca e de passarmos pela aldeia, desceremos de volta ao rio Vez, por uma calçada que atravessa os socalcos situados abaixo da aldeia. Voltaremos a encontrar-nos com a sombra das árvores e rapidamente estaremos a contactar com as águas límpidas do rio, onde, caso a temperatura e as vontades dos participantes o permitam, poderemos refrescar-nos, pois o caudal do Vez nesta altura do ano é baixo.

De novo seguindo caminho sinalizado, regressaremos à aldeia de Sistelo. Após a conclusão da caminhada, teremos oportunidade de visitar as principais atrações da aldeia, como o castelo do Visconde de Sistelo ou as pontes oitocentistas sobre o rio.

Logística

O ponto de encontro, a partir de onde os participantes seguirão viagem de autocarro, terá lugar junto à entrada do campus da Universidade do Minho, em Azurém, às 8h00. Recordamos que é desaconselhada a deslocação em viatura própria, pelos motivos adiantados na introdução deste artigo.

Durante a caminhada, faremos um pique-nique sensivelmente a meio do percurso. Cada participante deverá portanto levar o seu próprio farnel.

Ficha técnica

  • Distância: 14 km
  • Dificuldade: média, com uma subida de 3 km com 300m de desnível
  • Duração estimada: aproximadamente 7 horas

Aperitivo visual

Caminhada “Subir a Rendufe” (Feira da Terra 2017)

No próximo dia 8 de julho, a AVE volta a colaborar na Feira da Terra (organização da ADCL), com uma caminhada pelo território torcatense. Todos os anos procuramos inovar e dar a conhecer zonas menos conhecidas desse belo vale. Desta vez, iremos explorar a encosta entre São Torcato e Rendufe, num percurso de 9 km.

Adira ao evento da caminhada no Facebook e fique a par de todas as informações até à data do evento.

Não é necessária inscrição na caminhada. Basta aparecer!

Apesar da caminhada ser curta e terminar previsivelmente antes das 13h, não havendo portanto piquenique, recomendamos que tragam um lanche da manhã e água suficiente para eventuais altas temperaturas.

NOTA: esta caminhada não inclui seguro e pode ser alterada por razões externas à organização.

Subindo a Rendufe

Vamos percorrer um caminho que vai de São Torcato, saindo do Terreiro desta vila, até Rendufe e regressa pela zona de fronteira com Atães (entrando nesta freguesia), passando pela Corredoura e regressando ao ponto de partida.

Gostaríamos de fazer três apontamentos de situações que iremos encontrar ao longo do percurso:

  • Com a importância dada ao transporte automóvel, pela nossa sociedade, cada vez é mais difícil percorrer caminhos que habitualmente ligavam as diferentes povoações e que agora são intransitáveis. Alguns troços de estradas que iremos percorrer, que nos permitem ligar caminhos preferencialmente pedonais, não contemplam zonas dedicadas aos peões, estando ocupados pela via dedicada aos automóveis. Alguns troços dessas estradas são percorridos, a pé, diariamente pelos moradores.
  • É cada vez mais difícil traçar percursos nas nossas aldeias, em locais aprazíveis, pois a nossa floresta está tomada pelo eucalipto levando a um empobrecimento da paisagem.
  • A vedação da propriedade privada e a apropriação de zonas que deveriam ser de acesso a todos (como sejam as margens ribeirinhas, os antigos caminhos públicos, etc.) por vezes fazem-nos sentir “presos cá fora”.

Logística

Pretendemos iniciar a caminhada às 9h00, na igreja de São Torcato. O ponto de encontro será às 8h45, perto da escadaria da igreja, junto ao recinto da Feira da Terra.

Para alguma eventualidade em que seja necessário contactar a organização, podem ser usadas duas alternativas: info@ave-ecologia.org (e-mail) ou 912 840 699 (telefone).

Ficha técnica

  • Distância: 9 km
  • Dificuldade: média, com algum desnível na primeira metade do trajeto.
  • Duração estimada: 4 horas

Antevisão

feiraterra01feiraterra02

A Carriça

Para o “Caminhar em Guimarães: Por Terras de Souto, Gonça e Gondomar”, ocorrido a 4 de junho (consultar roteiro ou evento Facebook), produzimos mais uma edição dos Bilhetes de Identidade da fauna e flora da nossa região. Voltamos às aves, para conhecer a interessante carriça. Descarregue o folheto original ou consulte abaixo o texto de Paulo Gomes.

A Carriça

Mais uma pequena ave que vive muito perto de nós e muitas vezes nem damos por ela. Diminuta, cauda arrebitada e plumagem castanho ferrugíneo. A cabeça e o dorso castanho mais escuro e parte de baixo do corpo mais claro, cor de areia. De perto vê-se que as sobrancelhas são um pouco mais claras e que o bico é longo, pontiagudo e ligeiramente encurvado. Mantém-se quase todo o ano na mesma zona, num território pouco extenso. Habita de preferência bosques húmidos, ricos em húmus, mas também gosta de jardins.

carrica1 No início da Primavera, o macho inicia um grandioso projeto de construção. Em menos de nada, instala no território que lhe pertence, diversos ninhos para aumentar as hipóteses de seduzir uma fêmea. Os ninhos são esféricos e ficam, no máximo, a três metros do solo. São feitos de folhas, musgo e outros materiais secos. Além de muito empreendedor, o macho da carriça dá sinais de ser um pouco perfecionista, já que está permanentemente a examinar a sua obra, tentando ver se há alguma folhinha a mais ou a menos. Na Primavera canta energeticamente, procurando atrair as fêmeas da redondeza. Pode surpreender-nos ao fazer o ninho em locais tão improváveis com um cabo de cebolas, uma peça de roupa que se deixou pendurada tempo de mais ou uma bota velha que penduramos numa árvore (pouco comum em caixas ninho). O macho deixa que a fêmea se ocupe dos ovos, enquanto procura seduzir outras fêmeas. Como se isso não bastasse, recomeça a fazer a corte à sua companheira logo que a primeira ninhada dá sinais de independência.

carrica2


O grafismo do folheto PDF foi da responsabilidade de Luís Gonçalves.

Os Carvalhais de Fafe

No âmbito da caminhada “Aldeias das Margens do Rio Vizela”, que teve lugar no dia 23 de abril (consultar roteiro ou evento Facebook), produzimos mais uma edição dos folhetos educativos da AVE, desta feita dedicada aos Carvalhais de Fafe. Descarregue o folheto original ou consulte abaixo o texto de Manuel Miranda Fernandes.

Os Carvalhais de Fafe

Este percurso atravessa alguns trechos de carvalhal, que impõem uma singular presença na paisagem das serras de Fafe. Dominado por carvalho-alvarinho e carvalho-negral, este tipo de floresta alberga uma diversidade considerável de flora e fauna, constituindo um ecossistema com notável valor ecológico. Sabe-se que, após o final do último período glaciar, há cerca de 10.000 anos, os carvalhais formaram grandes extensões no noroeste ibérico, favorecidos pela melhoria das condições climáticas. As atividades humanas, como a pastorícia, a agricultura, a carvoaria e a mineração, levaram ao declínio destes bosques, que atualmente se encontram apenas em locais mais remotos ou de difícil acesso. Contudo, nos carvalhais de Fafe, a atividade humana pode ter contribuído para a sua conservação, através da indústria da casca de carvalho, outrora com grande valor económico local. A casca extraída de cada árvore, em intervalos de quatro anos, era seca e moída, sendo enviada como fonte de taninos para as indústrias de curtumes de Guimarães e do Porto. Embora esta prática tenha cessado, a sua memória mantém-se, tendo sido inaugurado em Aboim, em 2014, o Museu da Casca de Carvalho.

Notas sobre o carvalho-alvarinho (Quercus robur L.)

É uma árvore que atinge porte elevado (30 a 40 m de altura), com tronco robusto e copa ampla e regular. As folhas, verde-escuras na página superior e mais claras na inferior, são recortadas em lóbulos arredondados, murchando em cada Outono e brotando na Primavera seguinte (espécie caducifólia). As flores masculinas são minúsculas, amarelo-esverdeadas, dispostas em espigas pendentes (amentilhos); as flores femininas formam-se-se na axila das folhas. Os frutos são as conhecidas bolotas – uma semente envolvida por uma cúpula. Não devem ser confundidas com os bogalhos, que são uma forma de proteção da árvore contra as posturas de insetos.

A madeira, de excelente qualidade, é usada na construção civil e naval, em marcenaria e em tanoaria. O fruto pode ser usado na alimentação do gado, mas usou-se outrora para fazer pão. Esta árvore foi sempre considerada como uma das mais nobres das espécies florestais europeias, atingindo vários séculos de longevidade. Em Portugal é espontânea no Norte e Centro, nas áreas com maior pluviosidade.


A composição dos textos esteve a cargo de Paulo Gomes e o grafismo do folheto PDF foi da responsabilidade de Luís Gonçalves.